Notícias de Caçador e Região

Tumulto em festa de Halloween deixa centenas de mortos na Coreia do Sul

Ao menos 146 pessoas morreram neste sábado, dia 29, e 150 ficaram feridas em um tumulto durante as comemorações do Halloween no centro de Seul, capital da Coreia do Sul, onde milhares de pessoas se aglomeravam em ruas estreitas, informaram as autoridades.

“Até as 04h [de domingo, 16 horas de sábado em Brasília], havia 146 mortos e 150 feridos”, disse a jornalistas o encarregado do departamento dos bombeiros, Choi Seong-beom, no local da tragédia. O funcionário havia dito anteriormente que o incidente ocorreu por volta das 22 horas locais de sábado (10 horas em Brasília) e que muitas vítimas foram pisoteadas até a morte.

“O alto número de vítimas resultou do fato de que muitos foram pisoteados durante o evento de Halloween”, disse Choi, que acrescentou que o número de óbitos poderia aumentar.

Segundo a agência de notícias Yonhap, uma testemunha que não quis ser identificada afirmou que viu pessoas sendo esmagadas até a morte.

“As pessoas estavam empilhadas umas sobre as outras. Algumas estavam gradualmente perdendo a consciência, enquanto outras já pareciam estar mortas naquela altura”, disse a testemunha, segundo a Yonhap.

​Anteriormente, autoridades disseram que 50 pessoas tinham sofrido paradas cardíacas, e que mais de 140 ambulâncias tinham sido enviadas ao local para prestar socorro às vítimas.

O incidente aconteceu próximo do hotel Hamilton no bairro de Itaewon, conhecido pela vibrante vida noturna. Acredita-se que um grande número de pessoas entrou em um beco estreito próximo ao hotel, de acordo com a Yonhap.

​O presidente do país, Yoon Suk-yeol, ordenou o envio de equipes de primeiros socorros ao local e pediu que os hospitais se preparassem para receber os feridos, indicou a Presidência. Já o prefeito da cidade, Oh Se-hoon, que realizava uma visita à Europa, decidiu retornar para a Coreia assim que ficou sabendo do ocorrido, informou a Yonhap, citando fontes da prefeitura.

Com informações da Agence France-Presse

 

Veja Também

Comentários estão fechados.