Notícias de Caçador e Região

Travesti é executada em ponto de ônibus em disputa por ponto de prostituição

A PC (Polícia Civil) finalizou o inquérito e trouxe respostas sobre a morte da travesti Monica Ribeiro Bueno, executada enquanto estava em um ponto de ônibus em Blumenau, no Vale do Itajaí, em maio deste ano. A conclusão da polícia foi que a morte foi motivada pela disputa por ponto de prostituição.

A investigação policial conseguiu identificar dois suspeitos: o indivíduo que efetuou os disparos de arma de fogo e matou Monica, e a pessoa que supostamente encomendou o crime. Segundo a polícia, a execução foi motivada pela disputa territorial por pontos de prostituição.

A PC representou pela prisão preventiva dos investigados, que foi concedida pelo Poder Judiciário após manifestação favorável do Ministério Público. Dessa forma, a mandante do crime, de 29 anos, foi presa no dia 2 de setembro, no bairro Ribeirão Fresco, em Blumenau. No entanto, o executor do crime, de 31 anos, continua foragido.

O inquérito policial indicia os dois autores por homicídio qualificado. A investigação foi devolvida ao Poder Judiciário, que decidirá se aceita a denúncia.

Relembre o crime

Por volta de 22h30 do dia 19 de maio deste ano, Monica Ribeiro Bueno, de 36 anos, foi alvejada por 08 (oito) disparos de arma de fogo enquanto aguardava em um ponto de ônibus, na Rua Engenheiro Udo Deeke, Bairro Salto do Norte.

Quando os policiais chegaram ao local, a vítima já estava morta e caída no meio da rua. Segundo apurado pelo Portal Alexandre José, a vítima foi morta na frente de, pelo menos, seis pessoas que também estavam no ponto de ônibus no momento do homicídio.

Brasil segue como o país que mais mata população trans

Um triste ranking aponta que o Brasil se manteve em 2021 como o país que mais mata pessoas transgêneras em todo o mundo, uma liderança mantida desde que o ranking começou a ser formulado em 2008. Só no último ano, foram 140 assassinatos de travestis e transexuais mapeados pelo dossiê da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais).

Com informações ND Mais 

Veja Também

Comentários estão fechados.