Notícias de Caçador e Região

Santa Catarina confirma primeiro caso de febre amarela em 2021

Foi confirmado nesta quarta-feira, dia 27, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC), o primeiro caso de febre amarela em humano neste ano no estado. Trata-se de uma mulher, de 40 anos, moradora da cidade de Taió, no Alto Vale do Itajaí, que não tinha registro de vacina contra a doença e está internada em Blumenau.

A febre amarela é uma doença grave, transmitida por mosquitos em áreas silvestres e próximas de matas. Os macacos, por viverem no mesmo ambiente que esses mosquitos, são as primeiras vítimas da doença. No ano de 2020, 134 mortes de primatas foram confirmadas com febre amarela.

“É por isso, que é tão importante que a população notifique a secretaria de saúde do município quando avistar um macaco morto ou doente. Eles sinalizam a presença do vírus na região e norteiam as ações de prevenção e de vigilância”, explica Renata Gatti, bióloga da DIVE/SC.

Prevenção

A vacinação é a melhor forma de se proteger da doença. “A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde”, explica Lia Quaresma Coimbra, gerente de imunização da DIVE/SC.

Todos os moradores do estado com mais de nove meses devem ser imunizados. A cobertura preconizada pelo Ministério da Saúde é de pelo menos 95% desse público-alvo seja imunizado. Até o momento, a cobertura vacinal do Estado está em 70,67%.

“A febre amarela é uma doença de evolução rápida. Quadro febril agudo de até 7 dias de duração acompanhado de dor de cabeça intensa, dor abdominal, manifestações hemorrágicas, icterícia e elevação das transaminases podem ser um sinal da doença. Por isso é importante solicitar os exames e seguir o fluxo de atendimento” alerta João Fuck, gerente de zoonoses da DIVE/SC.

 

Veja Também

Comentários estão fechados.