Notícias de Caçador e Região

Pesquisa do SESI aponta que um em cada três catarinenses têm pressão alta

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), pelo menos 30% da população brasileira sofre de hipertensão, mais conhecida como pressão alta. Em Santa Catarina, a realidade é muito parecida. De acordo com uma pesquisa realizada no ano passado pelo SESI, uma das entidades que compõem o Sistema FIESC, 35,7% dos participantes responderam ter hipertensão arterial diagnosticada pelo médico. Durante a pesquisa, a pressão arterial dos entrevistados era aferida e, cerca de 25% deles apresentaram valores superiores a 14 por 9 (140/90mmHg). A ocorrência da doença é maior nas pessoas com idade superior a 65 anos, com 69,4 %.

Mais de 23,5 mil pessoas participaram da pesquisa, sendo 68,8% comunidade e 31,2% trabalhadores da indústria. O estudo mostrou que o público masculino apresenta um percentual maior de pressão alta. Na comunidade, 51,5% dos homens com mais de 65 anos possuíam valores aumentados, e nas empresas o maior índice apareceu na faixa etária de 56 a 65 anos, com 42,8%.

Um fato que chamou a atenção foi a ocorrência significativa de valores aumentados da pressão arterial em homens de 18 a 25 anos na comunidade e nas empresas, chegando a 40% e 56%, respectivamente. O dado demonstra que, provavelmente, essas pessoas não estão conseguindo controlar a doença ou o tratamento não está sendo eficaz. O fato é preocupante porque são homens ainda muito jovens, com uma tendência ao descontrole da hipertensão arterial, que pode levar ao desenvolvimento de complicações e diminuição significativa da qualidade de vida, fala a coordenadora das farmácias do SESI, Joscimara Wamser. De acordo com a SBC, uma das principais causas para o descontrole da doença é a falta de adesão ao tratamento ou o abandono do mesmo.

O sedentarismo e a obesidade também são responsáveis pelo aparecimento e agravo da hipertensão. A pesquisa do SESI levantou que 54,9% dos entrevistados estão acima do peso ideal. Além disso, 77% não praticam a quantidade mínima de atividade física para prevenir doenças cardiovasculares, 22,5% possuem colesterol ou triglicerídeos alterado e 13,2% relataram ser fumantes. Estimativas da SBC apontam que a cada dez quilos perdidos de peso pode-se reduzir em até 20mmHg a pressão arterial, e que uma caminhada diária de 30 minutos contribui com a saúde cardiovascular.

A pesquisa fez parte de uma campanha estadual de prevenção à hipertensão arterial, promovida pela rede SESI Farmácia, em 2012. O objetivo foi informar e conscientizar a população sobre o assunto, além de estimular um estilo de vida saudável e a verificação frequente da pressão arterial. Na pesquisa, além da aferição da pressão arterial, um questionário foi aplicado a cada participante, a fim de levantar na população abrangida os principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Desenvolver programas de promoção de saúde e mudança de comportamento para um estilo de vida adequado ajuda na redução de custos, no ganho de produtividade e, consequentemente, no aumento da competitividade da indústria catarinense, avalia o superintendente do SESI, Hermes Tomedi. A iniciativa foi adotada em diversas regiões e atendeu comunidade e trabalhadores de indústrias catarinenses.

Miriane Campos
Assessoria de Imprensa do Sistema FIESC
48 3231-4671 / 48 8421-4224
[email protected]

Veja Também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.