Início / Colunas / Meu filho é hiperativo ou ele é agitado mesmo? – Por Fran Marin Menzel

Meu filho é hiperativo ou ele é agitado mesmo? – Por Fran Marin Menzel

Será que meu filho é desatento, bagunceiro, desorganizado ou ele é hiperativo mesmo? Essa dúvida persegue muitas mães e nós professores. Conviver com uma pessoa desorganizada, distraída, falante demais ou muito agitada pode ser difícil e até irritante para alguns. Os muito distraídos acabam sendo interpretados como pouco confiáveis e os mais agitados são capazes de tirar o clima de tranquilidade de um lugar.

Se você conhece alguém que preenche essas características, fique atento: ela pode ter TDAH. A sigla identifica o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, transtorno neurobiológico de causa genética e que se caracteriza por sintomas de desatenção, impulsividade e hiperatividade. Estudos apontam que cerca de 5% da população em idade escolar e 4% da população adulta sofram com o transtorno.

Seu filho não para quieto um instante, não fica um minuto sequer focado, luta para conseguir prestar atenção em qualquer coisa, até no que você fala, interrompe todo mundo e atrapalha a aula. E você se pergunta se ele é  ansioso, irrequieto ou se pode ter o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, conhecido pela sigla TDAH. Se seu pequeno tem algum desses sintomas, esteja certa de que você não é a primeira mãe a se colocar essa dúvida. “Todo mundo, em certo grau, é disperso e tem dificuldade para manter-se focado, mas o fator determinante para saber se a criança pode ter TDAH é o prejuízo que esses sinais trazem à vida dela”, diz o psiquiatra Paulo Mattos, presidente do Conselho Científico da Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA).

O TDAH é um dos transtornos mentais que mais afetam as crianças, só perdendo para a ansiedade e os distúrbios de aprendizagem. “Cerca de 5% das crianças e adolescentes, independentemente do país onde vivam, sofrem com o problema”, diz Mattos.

Já se descobriu que o cérebro de pessoas com o transtorno funciona de maneira diferente, demora em amadurecer. Por isso, os circuitos que fazem a comunicação entre as células nervosas (os neurônios) de algumas regiões do cérebro levam mais tempo para estar “prontos para o combate” e duas substâncias liberadas pelos neurônios que ajudam a transmitir a informação nervosa entre eles são produzidas em menor quantidade. “Isso acontece principalmente no córtex pré-frontal, região do cérebro que controla o que chamamos de funções executivas: o planejamento, a atenção, a organização e o autocontrole”, explica Mattos. Ou seja, funcionando desorganizadamente, a criança, claro, tem dificuldade de se controlar e prestar atenção. Algo como um maestro dando aos músicos instruções para que toquem uma sinfonia num andamento diferente do pensado pelo autor. Os músicos se atrapalham e a orquestra desanda.

Sintomas

  • Sensação de baixo rendimento. É o motivo que mais levam adultos a procurarem tratamento. “Não consigo me realizar”, eles falam, mesmo que sejam considerados bem sucedidos.
  • Dificuldade para se organizar. Sem a estrutura da escola, universidade ou dos pais para manter as coisas organizadas, o adulto pode ter dificuldades com as necessidades da vida cotidiana. As “pequenas coisas” se acumulam. Exemplos: um compromisso não cumprido, um cheque perdido, um prazo esquecido.
  • Adiamento crônico das tarefas.
  • Muitos projetos tocados simultaneamente e dificuldade em levá-los adiante.
  • Falam o que vem à mente, sem considerar o momento e a conveniência do comentário. A diplomacia e a malícia se rendem ao impulso.
  • Busca por estimulação, emoções, riscos.
  • Intolerância ao tédio, pois, no momento que ele aparece, parte para a ação e procura algo novo.
  • Facilidade para se distrair, desconcentrar, desligar, “viajar” no meio de uma página, aula, reunião, palestra, diálogo. Essa é a principal caraterística do TDAH.
  • Capacidade de hiperconcentração com coisas de seu interesse, mesmo que não sejam relevantes ou importantes naquele momento.
  • Criativo, intuitivo e inteligente. Os adultos com TDAH em geral têm mentes mais criativas do que a média. Com a desorganização, devaneio e pensamentos que nunca param, aparecem lampejos de talento. Reforçar esse “algo especial” é um dos objetivos do tratamento.
  • Dificuldade em seguir caminhos pré-estabelecidos, em proceder de forma “apropriada”.
  • Impaciência, baixa tolerância às frustrações, necessidade de estímulo constante, podendo fazer com que os outros considerem imaturo ou insaciável.
  • Impulsivo verbalmente ou nas ações, como gastar dinheiro impulsivamente, mudar de planos, de projetos profissionais, de hobbies, esportes, faculdades, cursos.
  • Tendência a preocupações desnecessárias e sem fim. Propensão a sondar o horizonte em busca de algo com que se preocupar, ao mesmo tempo em que mostra desatenção ou descaso por perigos palpáveis.
  • Sensação de insegurança crônica, independente da estabilidade de sua vida.
  • Humor oscilante, lábil, repentes de mau humor, depois bom humor, e novamente mau humor num espaço de poucas horas e sem motivo aparente.
  • Inquietude. Em geral, o adulto não tem a hiperatividade da criança. Mas tem uma “energia nervosa”: anda de um lado para o outro, tamborila com os dedos, muda de posição na cadeira, sai toda hora da mesa, sente-se tenso quando em descanso.
  • Tendência a comportamento aditivo, compulsivo que pode ser sexo, álcool, drogas, jogo, compras, comida ou trabalho.
  • Problemas crônicos de autoestima, resultado de anos de frustração, fracasso ou malogro das iniciativas. Mesmo a pessoa com TDAH que já conquistou o seu espaço em geral se sente “menos”. Auto-observação imprecisa, muitas vezes a imagem que os outros têm dele é melhor que a dele próprio.
  • Capacidade de recuperação, apesar dos obstáculos (resiliência).
  • Não avaliam bem o impacto que causam nos outros, geralmente se consideram menos eficientes ou capazes do que os outros acha

Fatores de risco

A ciência ainda não sabe com certeza o que causa o TDAH, mas vários estudos apontam que os genes têm um grande papel. Algumas pesquisas mostraram que pessoas que sofrem com a condição têm de quatro a dez vezes mais probabilidade de ter filhos com o distúrbio. “O TDAH muito provavelmente resulta de vários fatores, como a obesidade”, conta Mattos. O que se sabe, no entanto, é que questões sociais e ambientais podem aumentar os riscos de a criança apresentar o transtorno. “Mães que fumaram durante a gravidez ou tiveram problemas com álcool ou drogas, crianças que nasceram precocemente ou com pouco peso correm mais risco”, aponta Guilherme Polanczyk, professor de Psiquiatria da Infância e da Adolescência da USP.

Sintomas podem confundir

Um dos desafios do diagnóstico do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade é eliminar as possibilidades de que os sintomas apresentados pela criança tenham outras causas. Depressão, distúrbios de ansiedade, dislexia, autismo, problemas de visão, anemia e até abuso ou negligência por parte dos pais podem levar a criança a perder o foco e a atenção. Por isso, só um médico especializado e bem treinado é capaz de identificar o TDAH.

É preciso que o médico pesquise se os sinais foram gerados por outro transtorno. Não há nenhum teste de sangue, genético, aparelho computadorizado ou exame neurofisiológico que possa diagnosticar o TDAH.

Para detectar a condição, o médico segue uma lista de 18 perguntas, que são respondidas pela criança, pelos pais e professores. Com base na quantificação das respostas e da intensidade dos sintomas listados, consegue-se identificar se ela tem déficit de atenção, hiperatividade ou uma combinação dos dois. “É importante frisar que, se a criança apresenta apenas alguns sintomas, não se faz o diagnóstico de TDAH. E, se tem muitos dos sintomas, mas não há prejuízos, também não”, alerta Mattos. De acordo com Schmitz, a intensidade e a frequência desses sintomas são o fiel da balança.

Especialistas

A escola, assim como os pais, tem papel importantíssimo no diagnóstico e é uma peça fundamental para que o médico consiga “pintar o quadro”. É mais complicado reconhecer o tipo desatento, porque geralmente ele passa despercebido. Assim, pode-se levar tempo até ele chegar a um especialista, com muitos prejuízos acumulados. Já o hiperativo atrapalha o andamento da aula. Daí a importância do professor no fechamento do diagnóstico, pois ele conhece bem o aluno e é capaz de identificar sintomas significativos.

Muitas vezes a criança com TDAH do tipo desatento só vai manifestar mais fortemente os sintomas quando ficar maior e tiver de enfrentar tarefas mais complexas, que dependem de grande nível de atenção. “Mais do que isso, crianças muito inteligentes conseguem driblar o problema, porque captam rapidamente o que é explicado pela professora e podem flanar o resto do tempo.”

Remédio: sim ou não?

Assim como acontece com outros transtornos mentais, como a depressão, muita gente questiona o uso de remédio para tratar o TDAH alegando que os efeitos colaterais e o risco de dependência superariam os benefícios. Mas o fato é que todos os grandes estudos realizados no mundo apontam que os estimulantes são, hoje, a forma mais eficaz de aliviar e controlar os sintomas do distúrbio, principalmente a desatenção e a impulsividade, fazendo com que a criança ganhe qualidade de vida. “Mas essa é uma decisão que deve ser tomada caso a caso. E não adianta só dar a medicação. Ela tem de ser bem administrada e controlada, até porque nem sempre a criança se dá bem com o primeiro remédio que é prescrito e é preciso trocar ou acertar a dose”, alerta Guilherme Polanczyk, professor de psiquiatria da infância e da adolescência da Universidade de São Paulo.

Assim como qualquer outra droga, pode provocar efeitos colaterais, entre eles desconforto gástrico, dor de cabeça, perda de apetite, tontura e alterações no sono. “O remédio não vicia e, com o tempo, dependendo de cada caso, é possível fazer a retirada progressiva – no período de férias, por exemplo. Se os sintomas não voltarem à tona, pode-se restringir o uso às situações onde há mais necessidade”, afirma Mattos.

Remédio, no entanto, não é o único tratamento possível. Os médicos defendem fazer um mix com psicoterapia. A que tem mostrado melhores resultados é a chamada terapia comportamental. O objetivo é, no longo prazo, reforçar hábitos positivos da criança, fazendo com que ela adote um novo padrão de comportamento, principalmente em relação à escola e aos estudos. “O remédio, sozinho, não ensina aptidões acadêmicas ou sociais à criança. Muitas vezes, percebe-se que ela tem péssimos hábitos de estudo. Combinação de remédio com terapia é a opção que considero excelente”,

Algumas tarefas que podem influenciar positivamente a rotina:

  • Tornar a vida mais estruturada – com mais organização, com horários definidos para as atividades, lugares próprios para guardar as coisas;
  • Ajudar a pessoa a fracionar as tarefas mais difíceis, não deixar acumular atividades (desde tarefas e contas a pagar até jornais velhos ou lixo a serem recolhidos);
  • Não encher a casa ou a mesa do escritório de coisas desnecessárias;
  • Começar uma tarefa de cada vez.

Ter TDAH não é sinônimo de fracasso, mas implica em cuidados e ações positivas para favorecer a organização, o controle das tarefas e do tempo e comportamentos que ajudem o indivíduo na sua caminhada profissional. O melhor procedimento é que    ele se sinta acolhido, compreendido, e amado… e que nos períodos de maior desatenção, seja tratado com paciência e compreensão. No entanto, o distúrbio não deve funcionar  como “álibe ou desculpa”  para a acomodação  ou  para justificar todo e qualquer comportamento. A família deve incentiva-lo ao tratamento.

Um forte abraço e até a próxima

Francielle Marin Menzel

Psicóloga Clinica CRP12/12973

Telefone: 88767887

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Sobre Francielle Marin Menzel

Pedagoga e psicóloga. Casada com o Gustavo Menzel e mãe da Beatriz e Benício. Pós graduada em Educação Infantil e Séries Iniciais e em Práticas Interdisciplinares. Professora efetiva da rede pública municipal há 21 anos.

Veja também

Acadêmicos de Fisioterapia da Uniarp visitam Hospital Maicé

Acadêmicos da 1ª fase do curso de Fisioterapia da Uniarp vivenciaram momentos ímpares de aprendizagem …