Notícias de Caçador e Região

Metade das praias do Norte de SC impróprias para banho

A temporada de verão no Litoral Norte catarinense vai começar com a balneabilidade em xeque. O último relatório feito pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma) mostra que quase 44% dos 57 pontos analisados na região estão impróprios para banho – as análises anteriores a esta, que são feitas semanalmente, apresentaram índices semelhantes.

O percentual é considerado expressivo, principalmente porque o litoral pouco avançou em saneamento básico nos últimos anos e os impactos desse atraso se refletem diretamente nas praias. O diretor de proteção dos ecossistemas da Fatma, Márcio Luiz Alves, explica ainda que é preciso considerar uma série de fatores na análise.

“Quando há vento forte e chuva a tendência é que a situação da balneabilidade piore, já que todo material depositado incorretamente nas ruas e córregos acaba chegando ao mar. Além disso, a contaminação da praia não necessariamente é feita pelo município litorâneo. No caso de Balneário Camboriú, há rios que trazem esses resíduos de outras cidades que não têm tratamento de esgoto para a praia”, afirma.

Balneário foi um dos municípios que apresentou situação pouco satisfatória, com quase metade dos pontos analisados impróprios para banho. Já Porto Belo é campeã nesse quesito, com todos os seis pontos analisados impróprios. Em seguida vem Penha com cinco pontos e Itapema com quatro pontos inadequados.

“Também temos que considerar o desenho da costa, pois isso dificulta que as correntes marítimas entrem e levem embora esses materiais poluentes. Porto Belo e Penha são áreas com muitos recortes e quanto mais calma a praia mais propícia da água estar imprópria”, observa Alves.

Confira o mapa divulgado pela FATMA

De acordo com o diretor, a balneabilidade é avaliada pela quantidade de coliformes fecais em cada 100ml de água – quando a amostra tiver mais de 800 coliformes o ponto é considerado impróprio. Um dos problemas que agrava essa situação é a destinação incorreta do esgoto sanitário. Porém, segundo Alves, a falta de ação do poder público não exime a responsabilidade do cidadão, que pode adotar sistemas alternativos para fazer o tratamento.

“Nós temos muitas sazonalidades e épocas em que aumenta significativamente a população do litoral. Com isso também aumenta a produção de material contaminante. Eu diria que a situação atual de balneabilidade é considerada satisfatória, mas podemos e devemos melhorar principalmente na questão do esgoto”, avalia.

Relatório de balneabilidade (Dados divulgados na sexta-feira, 26). 

– Balneário Camboriú – 6 impróprios / 8 próprios

– Balneário Piçarras – 2 próprios

– Bombinhas – 1 impróprio / 7 próprios

– Itajaí – 1 impróprio / 4 próprios

– Itapema – 4 impróprios / 4 próprios

– Navegantes – 2 impróprios / 2 próprios

– Penha – 5 impróprios / 6 próprios

– Porto Belo – 6 impróprios

Com informações de O Sol Diário.

Veja Também
Comentários
Loading...