Notícias de Caçador e Região

Mestranda pesquisa a construção da identidade cultural a partir linguagem da população de Caçador

A Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP) está desenvolvendo uma pesquisa intitulada: “O comportamento linguístico e o perfil identitário dos falantes de língua portuguesa de Caçador”. O estudo é realizado pela professora da Universidade e aluna no Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento e Sociedade, Sandra Mara Bragagnolo. O estudo é orientado pelo doutor Joel Haroldo Baade.

IMG_4903 (Large) (1)

De acordo com a mestranda, o objetivo central está em analisar o perfil identitário da população de Caçador a partir de seu comportamento linguístico. Além disso, a pesquisa de dissertação irá caracterizar elementos da formação sociocultural da cidade, avaliar amostras das variantes linguísticas da população e descrever o perfil identitário da população do município a partir da coleta e análise dos dados na execução da pesquisa.

“Os registros sobre a história da população de Caçador só começaram a ser feitos nos anos de 1970 e só foram publicados a partir dos anos 1980. Mesmo assim, nas obras que sucederam esse marco inicial nas produções históricas e geográficas sobre o município, não se encontram registros específicos sobre a descrição do perfil linguístico de sua população’, explica.

“No material disponível para pesquisa, há registros valiosos para a reconstrução da história do município de Caçador. No entanto, devido à importância que teve a Guerra do Contestado, essas obras trazem um enfoque maior às questões políticas, econômicas, geográficas e históricas. E quando os aspectos humanos são considerados, o enfoque é dado a dimensões como a ordem cronológica da chegada de habitantes, suas origens e interesses econômicos na região. Ou seja, muito pouco se fala sobre o comportamento linguístico dessa população”, completa Sandra.

Ainda de acordo com a mestranda, desde os primórdios da história do município de Caçador, passando pelos seus antecedentes pré-históricos, sua emancipação política, em 1934, até o século XXI, há um longo percurso, em que pessoas de diferentes origens chegaram para povoá-lo e promover seu desenvolvimento. Essa mescla de histórias individuais e coletivas é refletida no modo de falar de sua população. “As características linguísticas dessa população carecem de descrição e estudo para que novas pesquisas possam ser embasadas nos seus resultados e, sobretudo, para que a cultura regional seja conhecida e valorizada”, afirma.

Sandra Mara Bragagnolo destaca que a comunicação não só identifica comunidades como também lhes permite expressar necessidades e desenvolver-se, o que a levou a estudar o tema.   “Com o decurso dessa pesquisa, quer-se, não estudar a língua por ela mesma, mas pelo que ela pode revelar das características da população em estudo, por isso, estará embasada nos princípios da história social da linguagem”.

wpp

Veja Também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.