Notícias de Caçador e Região

Medo de envenenamento levou equipe de Bolsonaro a pedir para produção morder lanches em debate

Uma medida inusitada de segurança foi registrada antes do debate presidencial realizado no domingo (28), pela Band. Segundo a colunista da Folha Mônica Bergamo, a equipe do presidente Jair Bolsonaro (PL) pediu para que organizadores do evento provassem os lanches que seriam oferecidos a ele, por medo de envenenamento.

Foram servidos pães com seis tipos diferentes de recheios. Os escolhidos para o ato tiveram que morder um pedaço de cada um dos sanduíches servidos no camarim. O pedido da segurança surpreendeu até mesmo pessoas ligadas à assessoria do presidente, conforme a colunista da Folha.

A medida não é incomum em alguns países mais visados. Os presidentes dos Estados Unidos, por exemplo, só se alimentam de comidas e bebidas trazidas nos aviões de seu próprio país. Porém, no Brasil, esse tipo de cautela não é habitual.

Mudanças no debate

Ainda de acordo com a colunista da Folha, foi também por motivo de segurança que Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não ficaram lado a lado no debate de domingo, como até então estava previsto.

Quando chegou no local, Bolsonaro disse que não se importava em ficar ao lado de Lula, mas que não apertaria a “mão de ladrão”. Tal alteração, inclusive, virou alvo de reclamação do candidato Ciro Gomes (PDT), que não gostou de seu posicionamento no palco.

O atual presidente e Lula foram os últimos a confirmar presença no debate que foi transmitido ao longo de quase três horas. Bolsonaro se tornou o alvo preferencial dos candidatos nesse primeiro evento na TV, apontou Bergamo. Ele, por sua vez, mirou em Lula, que se esquivou de questionamentos sobre corrupção.

Com informações ND Mais 

Veja Também

Comentários estão fechados.