Jovem de 20 anos é preso por estupro de vulnerável e pornografia infantil

Notícia Hoje

Notícia Hoje

As informações mais atualizadas de Santa Catarina, do Brasil e do Mundo!

Compartilhe

Jovem

Um jovem, de 20 anos, foi preso pelos crimes de estupro de vulnerável, exploração sexual infantil na internet e produção e divulgação de pornografia infantil, na manhã desta terça-feira (22), em Meleiro, no Sul catarinense.

A prisão foi feita pela Polícia Federal em Criciúma durante o cumprimento de dois mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em casas localizadas em Meleiro.

A investigação teve início no mês de agosto após o suspeito publicar um vídeo em que uma menina, que aparentava ter entre 6 e 7 anos, era abusada sexualmente por ele. A publicação foi feita pelo suspeito em um fórum da dark web (camada mais obscura da internet que favorece o anonimato e o cibercrime, uma vez que o conteúdo não é indexado por mecanismos de pesquisa e requer software especial ou autorização de acesso).

Jovem foi preso por meio de uma Força-Tarefa

Por meio da Força- Tarefa de Identificação de Vítimas e com o uso de técnicas de investigação cibernética, a Polícia Federal identificou a vítima, o suspeito e o local onde ocorreu o estupro.

Durante as buscas foram apreendidos equipamentos de informática, celulares e mídias de armazenamento. Em uma análise preliminar no local foram encontradas imagens e vídeos contendo as cenas de pornografia infantil que circulavam na dark web.

Segundo a PF, o jovem  foi preso em flagrante e responderá pelos crimes de estupro de vulnerável, produção e distribuição de material pornográfico infanto-juvenil e outros elencados no Estatuto da Criança e do Adolescente. As penas somadas pelos crimes podem chegar a 33 anos de prisão.

Com informações ND Mais 

LEIA TAMBÉM: Pornografia Infantil: Homem que tinha mais de 100 materiais em aparelho é preso

Receba notícias, diariamente.

Salve nosso número e mande um OK.

Ao entrar você está ciente e de acordo com todos os termos de uso e privacidade do WhatsApp