Notícias de Caçador e Região

Investigação: Marido que matou enteadas e a esposa e mudou corpo de cova

Ademar Carneiro, de 33 anos, achado carbonizado no próprio carro, foi quem matou a família inteira na semana passada em Novo Horizonte/SC, informou a Polícia Civil. Ele foi encontrado queimado em um carro. Já a esposa, Neusa Dias Maciel, de 24 anos, e as filhas, de 5 e 8 anos, estavam enterradas em uma de mata na mesma localidade onde moravam.

Roberto Marin Fronza, delegado da Polícia Civil, afirmou que resta saber a causa da morte de Ademar, visto que ele teve o corpo totalmente carbonizado na Parati que conduzia. No carro, achado batido em uma árvore, na terça (20), havia uma espingarda e cerca de 30 litros de gasolina que usava para abastecer uma máquina usada no corte de madeiras de eucalipto.

O delegado disse que não descarta nenhuma hipótese sobre a morte de Ademar, como homicídio, suicídio ou acidente de trânsito, mas está convicto que foi ele quem matou as duas enteadas e a esposa.

Neusa Maciel teria sido morta no sábado (17) à noite com um único tiro na cabeça. Ainda segundo o delegado, o homem enrolou a cabeça dela em sacos plásticos e enterrou em uma cova rasa perto de casa. Mais tarde removeu o corpo e enterrou em outra cova mais longe de casa, mas também na mata.

Já as meninas teriam sido mortas mais tarde. “Das crianças a gente ainda não tem a certeza do momento em que elas foram mortas, mas com certeza foi neste período entre sábado e domingo”, explica Fronza. As crianças foram encontradas enterradas em um banhado perto de casa, com o crânio afundado, indícios de agressão.

Início da investigação

Toda essa investigação da Polícia Civil iniciou após Ademar ter sido encontrado morto no carro queimado na Linha Platanéia. “Depois que ele foi encontrado, os familiares da mulher registraram o desaparecimento da esposa dele e das duas crianças, que estariam desaparecidas desde sábado à noite”, diz o delegado.

As equipes de investigação iniciaram buscas na região, mas foi na quinta (22) quando moradores avisaram a polícia que havia um lugar, onde não há movimentação de pessoas, com sinais de pegadas e a terra removida.

“Nos deslocamos para lá imediatamente e constatamos que havia pelo menos um corpo enterrado no local. Foi encontrado o corpo desta mulher, enterrado em um banhado”. O corpo estava em uma área cercada por pinos e vegetação alta.

Já na sexta (23), depois de mais um dia de buscas pelas crianças com apoio de cães farejadores, bombeiros e policiais, outros moradores da região indicaram que localizaram os corpos enterrados na mesma região, mas próximo da casa da família, também em um banhado.

Festa da comunidade

Neusa e Ademar foram vistos em uma festa da comunidade na tarde de sábado, dia 17, horas antes do crime. Testemunhas disseram ao delegado que os dois estavam tranquilos e que não houve discussão entre eles durante a festa. “Suspeitamos que algo aconteceu nesta festa e o deixou irritado. Chegando em casa ele teria cometido esse crime”.

Para familiares, Ademar justificou que Neusa foi embora com as duas crianças após uma discussão e levou R$ 2 mil. Ainda almoçou com parentes, disse que estava preocupado com as enteadas e continuou trabalhando ao longo da semana. “Seguiu uma rotina normal, como se nada tivesse acontecido”, ressalta o delegado.

Para tentar reforçar a história, segundo o delegado, Ademar teria colocado todas as roupas de Neusa em um saco de ráfia e jogado na mata, como se tivessem sido levadas por ela.
Relação

As meninas não eram filhas de Ademar, mas conforme familiares, ele as tratava com muito carinho. As investigações estão a cargo da Divisão de Investigação Criminal de Fronteira de São Lourenço do Oeste.

Com informações ND Mais 

 

Veja Também

Comentários estão fechados.