Notícias de Caçador e Região

Cota de importação de arroz garante menos de um mês de consumo, mas pode segurar preços, dizem especialistas

A cota de importação de 400 mil toneladas de arroz deve assegurar menos de um mês de abastecimento, mas pode conter um avanço maior do preço do produto, avaliam especialistas. Uma queda maior do valor do alimento, porém, é esperada somente para o início de 2021.

Na quarta-feira (9), o governo reduziu a zero a alíquota do imposto de importação dessa cota, a pedido do Ministério da Agricultura. A medida vale até 31 de dezembro de 2020 e tem o objetivo de impedir um aumento maior de custos para a população. No ano, a inflação do arroz já acumula alta de 19,2%.

Apesar de ser uma cota pequena, o analista da Safras & Mercado, Gabriel Viana, avalia que a entrada do produto no país pode, ao menos, estabilizar um pouco os preços, ainda que em patamares elevados.

Segundo ele, os agricultores nacionais, que estão segurando os seus estoques de arroz, à espera de preços mais altos, podem começar a liberar parte deles ao ver algum crescimento da oferta no país.

Atualmente, a alíquota de importação do produto adquirido de países fora do Mercosul é de 10% para arroz em casca e de 12% para o arroz beneficiado. Para países que integram o Mercosul (Argentina, Uruguai, Paraguai), a tarifa já é zero, segundo informações do Ministério da Economia.

Importação vai continuar cara

Porém, Viana afirma que não deve haver uma queda muito significativa do preço do arroz. Se, de um lado, a cotação do arroz no mercado internacional continua alta, de outro, o dólar tem rodado próximo de R$ 5,30.

Esses dois fatores dificultam um barateamento da importação, mesmo com alíquota zero para a importação.

Por conta disso, ele avalia que a saca do arroz não vai chegar no Brasil muito abaixo de R$ 100, que é o valor que já vem sendo praticado no país, por produtores nacionais.

Na quarta (9), por exemplo, a saca de 50 kg do arroz em casca no Rio Grande do Sul, principal produtor nacional, fechou a R$ 104,39, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Para Lucílio, pesquisador da Esalq, o preço do arroz só deve começar a cair a partir de março ou abril de 2021, meses em que a safra do grão no país está em seu auge.

Segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a colheita do próximo ano será maior.

“A próxima safra começa a ser plantada hoje e esse arroz começa a ser colhido em meados de janeiro. Teremos uma safra bem maior, pois o agricultor vai plantar mais arroz porque teve um preço que remunerou a atividade. Então, ano que vem teremos um estoque bem maior do arroz”, disse ela, na quarta (9).

Com informações G1 

Veja Também
Comentários
Loading...