Notícias de Caçador e Região

Cesta Básica em Caçador registra aumento em dezembro

Em pesquisa contínua realizada pelo Curso de Administração da Uniarp levantou-se o custo de alimentos essenciais no mês de dezembro de 2022 em Caçador. A pesquisa realizada pela UNIARP, com recursos do Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP), adota metodologia similar à Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) que, desde 2016, é aplicada em diversas capitais do país, com algumas adaptações para o município integrante desta pesquisa.

Para o mês de dezembro o custo da Cesta Básica foi de R$ 586,45, representando um aumento de 3,42% em relação ao mês anterior, bem como uma parcela de 48,39% do salário-mínimo vigente, tendo como salário-mínimo necessário, segundo metodologia do DIEESE, o valor de R$ 4.926,77 para atender as necessidades de uma família composta por dois adultos e duas crianças.

Entre os itens que mais impactaram no custo da Cesta Básica destacaram-se a carne bovina (44,37%), o tomate (11,48%) e o pão francês (10,65%). Já entre aqueles que menos impactaram destacaram-se a farinha de trigo (0,87%), o óleo de soja (1,46%) e o açúcar (1,78%).

Os dados apontam ainda que houve uma variação significativa em alguns itens entre os supermercados pesquisados. Entre os itens que apresentaram maior variação destacaram-se a banana (404,04%), o tomate (80,16%) e a batata (75,19%). Já a variação média da Cesta Básica, entre os supermercados pesquisados, foi de 13,89%.

Em relação ao mês anterior, os itens que apresentaram maior elevação de preço foram o tomate (21,22%), o leite (13,99%) e a batata (11,85%). Já entre os itens que apresentaram maior queda de preço destacaram-se a banana (-11,07%), a carne (-2,55%) e a farinha de trigo (-0,51%), sendo este os únicos itens que apresentam queda de preço em relação a novembro.

Em 2022 o percentual de aumento acumulado para a Cesta Básica em Caçador foi de 15,90%. O tomate, por exemplo, é o item com maior variação percentual acumulada até o momento (139,21%), seguido da batata (79,39%) e do leite (30,93%).

A pesquisa afere o custo de 13 itens, entre eles: açúcar, arroz, banana, batata, café, carne, farinha de trigo, feijão, leite, manteiga, óleo de soja, pão francês e tomate em quantidade definida pelo Decreto-Lei 399/1938.

Veja Também

Comentários estão fechados.