Início / Destaques / Câmara enaltece os 100 anos da chegada da família Gioppo a Caçador

Câmara enaltece os 100 anos da chegada da família Gioppo a Caçador

 

Os 100 anos da chegada da família Gioppo a Caçador foram lembrados pela Câmara de Vereadores durante sessão ordinária desta segunda-feira (5). Como forma de reconhecer a importância de membros desta família na formação e desenvolvimento de Caçador, antes e após se tornar município, os Vereadores aprovaram um requerimento coletivo parabenizando e enaltecendo o engajamento e dedicação dos “Gioppo” durante este centenário.

“No próximo sábado, 10, um grande evento está programado em Caçador para celebrar esta data, onde seus descendentes prestarão homenagem a esses desbravadores, através de um encontro da Família Gioppo – 100 anos. E nós, enquanto representantes da população, também prestamos a nossa homenagem enaltecendo a participação efetiva desta tradicional família no desenvolvimento do nosso Município”, destaca o Presidente da Câmara, Rubiano Schmitz, que apresentou um breve histórico durante a sessão ordinária.

 

 A FAMÍLIA GIOPPO

Na segunda metade do século XIX, a família Gioppo chega ao Brasil, juntamente com outros imigrantes italianos. Desembarca no porto de Paranaguá, e se estabelece em Morretes (PR).

Nesta cidade, José Gioppo conheceu e casou-se com Margarida Carreta. Logo depois, mudaram-se para Porto União da Vitória.

Caçador ainda mão era um município quando a Família Gioppo aqui se estabeleceu, em 1918.

José Gioppo veio para Caçador trazendo seus filhos Miguel Arcângelo e Sílvio, instalando aqui a primeira serraria da cidade, juntamente com o seu sócio Luiz Tortatto.

Em 1919, já devidamente instalado, trouxe o restante da família.

Em 1920, desfaz a sociedade e compra as terras onde hoje se localiza o bairro Gioppo. Neste local planta trigo, milho e mandioca, e constrói um moinho para moagem dos mesmos e uma “tafona”, para a fabricação de farinha de mandioca.

Para o funcionamento do moinho era necessário água, então, com seus familiares constrói um pequeno açude, com desvio das águas do Rio Caçador, que também forneceu energia elétrica para o consumo da família, Escola Dante Mosconi e, depois, para o colégio Aurora, além do cinema local.

Em 1928, José Gioppo morre, precocemente, aos 59 anos.

Nas terras da família encontrava-se uma pedreira, da qual, sua viúva, Margarida Carreta Gioppo, doou as pedras para o fundamento da Catedral São Francisco de Assis. Mais tarde a pedreira foi vendida para a prefeitura. Margarida também doou o terreno para erguer a capela São José Operário, do Bairro Gioppo.

Os filhos de José Gioppo continuaram o trabalho empreendedor em Caçador, quando fundaram a Casa Ferro, de Irmãos Gioppo, mais tarde vendida à família Faoro; O café Caçador e o Engarrafamento de bebidas. Participaram efetivamente ainda da criação da Associação Comercial e Industrial de Caçador, da qual fizera, parte da primeira diretoria.

O Município de Caçador homenageia a família, criando o Bairro Gioppo, dando o nome de José Gioppo à rua principal do bairro e, mais tarde, com a praça Margarida Carreta Gioppo, situada na mesma rua. Além disso, várias vias da cidade levam o nome de seus filhos.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Sobre Notícia Hoje

O Portal Notícia Hoje foi criado com o objetivo de ser uma alternativa na comunicação online. Trazendo notícias de Caçador e região, aborda política, economia, segurança, esportes e variedades e já se consolidou como referência na informação com rapidez e credibilidade.

Veja também

Centro de Bem-Estar Animal de Caçador realizou mais de 1500 procedimentos

  O Centro de Bem-Estar Animal de Caçador realizou, até o mês de outubro, 1579 …