Notícias de Caçador e Região

Acusados de tentar matar policial militar serão levados a julgamento

juiz Flávio Luís Dell‘Antônio, da Comarca de Tangará, aceitou denúncia do Ministério Público e pronunciou os quatro acusados pela tentativa de homicídio contra um policial militar, em Ibiam.

Para o magistrado, a materialidade do delito e os indícios da autoria estão presentes no Auto de Prisão em Flagrante e nas oitivas de testemunhas.

Com a decisão, quatro acusados vão ser levados a julgamento pela prática do crime de tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe, mediante dissimulação e cometido contra policial militar.

O crime ocorreu na madrugada do dia 21 de maio de 2022, quando um casal chegou no destacamento da Polícia Militar pedindo ajuda para o sargento Juscemar Ramos, que estava de serviço. A mulher alegou que o carro havia ficado sem combustível na rodovia, mas acabou se contradizendo durante a conversa. Desconfiado, o sargento tentou se afastar da janela quando foi alvejado por um terceiro elemento que surgiu repentinamente. Ele efetuou ao menos quatro disparos, sendo que três deles atingiram o policial militar no rosto, peito e no braço.

Após o crime, os três saíram correndo e foram até o carro, onde um quarto elemento os aguardava. Eles empreenderam fuga pela rodovia em um Fiat/Palio com placas de Monte Carlo.

A vítima foi socorrida por um colega de farda que reside nas proximidades do destacamento, que foi até o local após ouvir os disparos. O sargento foi conduzido por ele até o Hospital de Tangará, onde recebeu o primeiro atendimento e depois foi transferido para o Hospital Universitário Santa Terezinha de Joaçaba.

O veículo foi interceptado em uma barreira policial perto da rodoviária de Campos Novos. Além da arma utilizada no crime, os policiais apreenderam 0,8g de cocaína com a mulher e os aparelhos celulares dos envolvidos. Um vídeo de uma câmera de vigilância contém a gravação de parte da ação criminosa.

Na Delegacia, dois dos envolvidos confessaram o crime, alegando que teriam que executar um policial militar para saldar uma dívida de drogas com uma facção criminosa. O motorista do veículo e a mulher afirmaram que não sabiam das intenções, afirmando que foram apenas convidados para buscar drogas e ir a uma festa.

Os réus tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva durante audiência de custódia na tarde do dia 21 de maio. Por responderem todo o processo presos, eles tiveram negado o direito de recorrerem em liberdade.

Com informações Rádio Caçanjurê

Veja Também

Comentários estão fechados.