Notícias de Caçador e Região

Quem é Kesley Vial, jovem que morava em SC e morreu sob custódia da imigração dos EUA

Santa Catarina está com os olhos voltados para a história de Kesley Vial, de 23 anos, que morreu sob custódia do Serviço de Imigração e Controle Alfandegário dos Estados Unidos (ICE, em inglês), na última quarta-feira (24). As causas da morte do jovem, que morava com a avó em Camboriú no Litoral Norte de Santa Catarina, ainda não foram divulgadas.

Kesley estava detido após tentar entrar ilegalmente no país, na última semana ele foi encontrado desacordado na prisão, no estado do Novo México. As informações são do Portal R7.

O objetivo da viagem seria para reencontrar a mãe, Rose Vial, que mora em Danbury em Connecticut há 19 anos. “Passei 19 anos longe dele, sempre na esperança de lhe dar uma vida digna, e meu maior sonho era lutar para um dia ele estar aqui comigo”, lamentou Rose nas redes sociais.

A imigração americana informou que o jovem era natural de São Paulo e que nos últimos anos vivia com a avó em Camboriú. Ele foi capturado por agentes da patrulha de fronteira na cidade de El Paso, no Texas, após tentar entrar no país sem documentação no final de abril.

Em 29 de abril Kesley foi transferido para a custódia do ICE, também em El Paso, para aguardar o procedimento de deportação. Já no último dia 17 de agosto, Kesley foi encontrado desacordado por um agente que trabalha no centro de detenção. Em seguida, foi transferido para o Hospital da Universidade do Novo México, onde morreu.

Ainda de acordo com a ICE, após o óbito de Kesley ter sido confirmado, a instituição realizou todos os procedimentos legais de comunicação aos órgãos competentes, incluindo o consulado brasileiro em Houston, no estado do Texas.

A causa da morte de Kesley não foi divulgada pela ICE, que afirma que uma autópsia será feita para determinar o motivo do óbito do rapaz. Por meio de nota, a instituição reforçou o compromisso com a saúde das pessoas detidas, que são responsabilidade da agência.

Família pede ajuda para transferir corpo

A mãe de Kesley, Rose Vial, criou uma página de financiamento coletivo para tentar levar o corpo do filho do Novo México para Danbury, em Connecticut, onde mora há mais de 19 anos. A meta da “vaquinha” está estipulada em US$ 28 mil (mais de R$ 141 mil), dos quais US$ 10 mil (cerca de R$ 50 mil) já foram arrecadados.

Amigos do jovem relataram que Kesley, que antes de partir para os Estados Unidos, trabalhava em uma loja de conveniência em Santa Catarina. E que era um jovem educado e batalhador.

A decisão de tentar ir para os Estados Unidos, contaram ainda, foi motivada pelo desejo de encontrar a mãe, que vive há mais de 15 anos naquele país. E que durante todo esse período, eles nunca se viram. “Era o grande sonho dos dois”, contou um dos amigos.

Levantamento divulgado pelo CBP (Departamento de Controle de Fronteiras), cerca de 5 000 brasileiros são detidos todos os meses tentando entrar irregularmente nos Estados Unidos.

Com informações ND Mais 

Veja Também

Comentários estão fechados.